CIRURGIA BARIÁTRICA E A PSICOLOGIA

Tomar a decisão de operar não é fácil. É preciso coragem de assumir que os outros tratamentos para perda de peso não surtiram o objetivo esperado. Coragem para enfrentar o julgamento de outras pessoas e até mesmo da própria família que acredita que a cirurgia bariátrica é a “opcão dos preguiçosos”. Sem contar que sempre aparece um amigo que conhece alguém que passou pela cirurgia e não obteve sucesso.

Dentre os vários exames de saúde e laudos requisitados pelo cirurgião, existe um especialmente importante e que é muitas vezes deixado de lado pelo paciente: o laudo de avaliação psicológica pré-operatória. É preciso saber se o paciente tem condições emocionais para se submeter à cirurgia bariátrica. Não é preciso apenas querer. É preciso poder!

A cirurgia em si não faz milagres. É um ponto de partida para mudanças de hábitos que serão imprescindíveis a partir de então.

Quem não muda de hábitos, pode sim, ter problemas como:
– Vomitar sempre depois de se alimentar;
– Emagrecer demais e chegar a ter baixo peso;
– Voltar a ganhar peso algum tempo depois de ter atingido um peso saudável;
– Se tornar alcoólatra.

E como fazer para evitar que essas coisas aconteçam? Trocando os maus hábitos pelos saudáveis!

A primeira coisa que o paciente deve aprender (a maioria não sabe) é MASTIGAR. Comer devagar, com calma. Dessa forma, quando o estômago já estiver satisfeito, avisará: Chega. Não preciso de mais alimento. Outro problema comum são os “ENTALOS”: a pessoa não mastiga direito, e acaba engolindo um pedaço grande de alimento, tendo a sensação de estar entalado. O resultado disso é vômito e mal-estar.

O segundo ponto de mudança diz respeito à quantidade do alimento que o paciente vai ingerir. Agora, o que importa é Nutrir! Os alimentos precisam ser saudáveis e garantir que não faltem vitaminas e nutrientes importantes para o organismo funcionar bem.

O horário certo para as refeições é muito importante e tem de ser seguido à risca. Em cada fase do pós-operatório, o nutricionista orienta sobre os diferentes intervalos entre as refeições. Ficar muito tempo sem alimento pode causar hipoglicemia e também dificultar a perda de peso, já que o organismo armazena o que é consumido para suprir a possível falta de energia.

O que dizer da atividade física? Fundamental para a perda e manutenção do peso, faz muito bem para a cabeça e o corpo. Deve ser feita regularmente e é essencial uma frequência de pelo menos quatro vezes por semana.

Para finalizar, bebida alcoólica e cirurgia bariátrica não combinam. A ingestão de álcool depois da cirurgia é proibida. Muitos pacientes preferem beber do que comer. E o perigo é de se tornar alcoólatra, trocando uma doença (obesidade) por outra. A bebida “desce” mais fácil e não é preciso mastigar. Além do que, não tem nutrientes importantes e conta com muita caloria, fazendo com que a pessoa volte a engordar e ter problemas de saúde.

A partir dessas informações/ orientações, o paciente candidato à cirurgia bariátrica deve começar a mudança de hábitos imediatamente, afinal, novos comportamentos serão a chave do sucesso de uma vida muito mais saudável e feliz.

Dra. Carmen Barcelos Maia
Psicóloga